A História da Robótica - O que você sabe sobre robôs?

"Também disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança. . . Criou Deus, pois, o homem à Sua imagem, à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou." (Bíblia sagrada, Genêses 1:26-27)

É, essa não é uma postagem religiosa, não mesmo! Estou aqui para falar sobre Robôs, e o que essa frase tem a ver com a robótica nos dias atuais.
A verdade é que a idéia de criar um ser parecido com nós mesmos sempre encantou a quase todos, seja em filmes, estórias, ou até nos grandes laboratórios de desenvolvimento de robótica do mundo. Para muitos, essa frase da Bíblia pode não ter o menor significado, mas para outros existe uma ligação entre os poderes de Deus e os poderes do homem. Enfim, deixando de lado a idéia religiosa(pois é muito polêmica), vamos falar sobres esses seres, máquinas, projetos, equipamentos, ou "aberração da natureza".
Vamos falar não só de notícias e opinião, mas principalmente de conhecimento! Se você entende muito de robótica, ajude-nos mandando suas dicas, opinião e conhecimentos!! Mas se você não saca nada de robótica, mas acha tudo muito incrível, e mesmo assim quer entender um pouco, vamos juntos nessa! Vou trazer pra vocês um série de postagens interessantes que vão unir conhecimento e curiosidades desse mundo fantástico dos robôs!!


Pra começar, entenda um pouco da história da robótica.





HISTÓRIA DA ROBÓTICA
(Lusura)

O conceito de robot data dos inícios da história, quando os mitos faziam referência a mecanismos que ganhavam vida.
Começando na civilização grega, os primeiros modelos de robot que encontramos eram figuras com aparência humana e/ou animal, que usavam sistemas de pesos e bombas pneumáticas.
As civilizações daquele tempo não tinham nenhuma necessidade prática ou económica, nem nenhum sistema complexo de produtividade que exigisse a existência deste tipo de aparelhos.
Cientistas árabes acrescentaram um importante e novo conceito à ideia tradicional de robots, concentrando as suas pesquisas no objectivo de atribuir funções aos robots que fossem ao encontro das necessidades humanas. A fusão da ideia de robots e a sua possível utilização prática marcou o início de uma nova era.



Leonardo DaVinci abriu caminho a uma maior aproximação ao complexo mundo dos robots. DaVinci desenvolveu uma extensiva investigação no domínio da anatomia humana que permitiu o alargamento de conhecimentos para a criação de articulações mecânicas. Como resultado deste estudo desenvolvido, surgiram diversos exemplares de bonecos que moviam as mãos, os olhos e as pernas, e que conseguiam realizar acções simples como escrever ou tocar alguns instrumentos.
O desenvolvimento inicial dos robots baseou-se no esforço de automatizar as operações industriais, o qual começou no século XVIII, na indústria têxtil, com o aparecimento dos primeiros teares mecânicos. Com o contínuo progresso da revolução industrial, as fábricas procuraram equipar-se com máquinas capazes de realizar e reproduzir, automaticamente, determinadas tarefas.

Em 1738, foi criado o primeiro robot funcional por Jacques de Vaucanson, que fez um andróide que tocava flauta, assim como um pato mecânico que comia e defecava.


Em 1898, foi exibido, no Madison Square Garden, o barco teleoperado inventado por Nikola Tesla, e que segundo as definições modernas, muitos consideram ser o primeiro robot.


Em 1922, a palavra robot foi utilizada pela primeira vez numa peça de teatro criada pelo checoslovaco Karel Capek mas quem a inventou foi o seu irmão Josef Capek, sendo que a sua origem vem da palavra checa robota que significa “trabalho forçado”.



Nos anos 30, a então denominada Westinghouse Electric Corporation fez um robot humanóide conhecido como Elektro e que foi exibido no World's Fair de 1939 e 1940. 


O termo robótica refere-se ao estudo e à utilização de robots, e foi pela primeira vez enunciado pelo cientista e escritor Isaac Asimov, em 1942, numa pequena história intitulada "Runaround". Asimov também publicou uma compilação de pequenas histórias, em 1950, intitulada "I Robot". Este autor propôs a existência de três leis aplicáveis à robótica, às quais acrescentou, mais tarde, a lei zero.

As leis propostas são:

1ª Lei: Um robot não pode ferir um ser humano ou, por omissão, permitir que um ser humano sofra algum mal.

2ª Lei: Um robot deve obedecer as ordens que lhe sejam dadas por seres humanos, excepto nos casos em que tais ordens contrariem a Primeira Lei.

3ª Lei: Um robot deve proteger sua própria existência desde que tal protecção não entre em conflito com a Primeira e Segunda Leis.

Lei Zero: Um robot não pode fazer mal à humanidade e nem, por inacção, permitir que ela sofra algum mal.

Essas leis são, actualmente, entendidas numa perspectiva puramente ficcional, pois no tempo em que foram escritas não se imaginava o desenvolvimento vertiginoso que iria ocorrer nesta área. Os robots, tal como os conhecemos hoje, não procuram ser verdadeiras imitações humanas, nem pretendem ser outras formas de vida.

O desenvolvimento inicial dos robots baseou-se no esforço de automatizar as operações industriais. Este esforço começou no século XVIII, na indústria têxtil, com o aparecimento dos primeiros teares mecânicos. Com o contínuo progresso da revolução industrial, as fábricas procuraram equipar-se com máquinas capazes de realizar e reproduzir, automaticamente, determinadas tarefas. No entanto, a criação de verdadeiros robots não foi possível até à invenção do computador em 1940, e dos sucessivos aperfeiçoamentos das partes que o constituem, nomeadamente, em relação à dimensão.

Em 1948, Grey Walter, da Universidade de Bristol, criou o primeiro robot autónomo electrónico. 



O primeiro robot industrial foi o Unimates, desenvolvido por George Devol e Joe Engleberger, no final da década de 50, início da década de 60. As primeiras patentes de máquinas transportadoras pertenceram a Devol, máquinas essas que eram robots primitivos que removiam objectos de um local para outro. Engleberger, por sua vez, pela construção do primeiro robot comercial foi apelidado de "pai da robótica".

Outro dos primeiros computadores foi o modelo experimental chamado Shakey, desenhado para pesquisas em Standford, no final da década de 60.

Atualmente, robots como o Shakey continuam a ser utilizados, particularmente com intuitos de pesquisa, mas, no futuro, estes computadores podem vir a ser utilizados como veículos de reconversão ambiental.



3 comentários:

  1. Viviane disse...

    Parabéns pela postagem me ajudou muito no trabalho de Inteligência Artificial

  2. adorei viu me ajudou muito mesmo

  3. Anônimo disse...

    achei um lixo

Postar um comentário